Resenha: O Menino do Pijama Listrado - John Boyne - Maciel


Nome: O Menino do Pijama Listrado;
Autor: Jonh Boyne;
Editora: Companhia das Letras;
Páginas: 186;
Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz idéia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.




Uma história complexa de se resenhar, e talvez a mais complexa que já resenhei para este blog.


Logo de cara já temos uma situação totalmente diferente do que se imagina e com significado diferente onde há duas realidades contraposta. De um lado, os anos 40, em plena guerra mundial, na Alemanha. E do outro, um inocente garoto perdido em seu mundo inocente, onde não há qualquer compreensão do que realmente acontece a sua volta, e quando ela quase aparece é barrada por um sentimento: Ele ama muito o pai, que é comandante militar do exercito nazista, e esse sentimento o incapacita de pensar que algo ruim possa vir do pai ou de seu trabalho. E tudo o que acontece no livro leva a essa contraposição.

O livro narrará a história de Bruno, que tem nove anos e, por ser filho de militar, é obrigado a mudar-se com a família para um campo de concentração na Polônia, onde fica protegido do 
contato com Judeus por meio de uma cerca há algumas centenas de metros da nova casa. 

Entre revelar a realidade em que ele se encontra e sobre a guerra nazista ou não, os pais escolhem mantê-lo preso em sua inocência, mesmo que o local seja perigoso até para eles, o que acaba custando muito caro.

Nos primeiros capítulo, é contada a relação de Bruno com o mundo a sua volta, desde os empregados da casa, a própria família, os três amigos de Berlim, a nova casa da polônia, e até mesmo o quase-nada que ele sabe sobre o momento social histórico da Europa naqueles tempos.
Mas a já citada contraposição torna-se bem mais clara quando Bruno começa a explorar a área em busca de algo para distrair-se, já que a nova casa não oferecia nada disso, e encontra, observando as coisas do outro lado da cerca, um menino Judeu Shmuel, também pouco conhecedor da realidade sócio histórica daquele momento, mas conhecedor o suficiente para reconhecer suas diferenças com os alemães nazistas e odia-los.

Mesmo assim, tornam-se melhores amigos, o que só é possível graças a inocência onde ambos estão presos. Chega um momento em que o pai de Shmuel é levado embora, e Bruno promete ajudar a procura-lo. Para isso, Shmuel roupa um dos pijamas listrados para que ele se disfarce de Judeu e atravesse a cerca. Esse é o inicio do fim que o livro leva.

É um livro absurdamente triste, e talvez o que chegou mais perto de me fazer chorar. E eu praticamente não choro com essas coisas por conta de uma mutação genética que torna minha produção lacrimal irregular. Este livro chegou bem perto de vencer esse problema.

Segue um poema meu inspirado no livro, em particular, nos últimos capítulos. Lembrando que ele não deve de forma alguma ser interpretado como Spoiler e nem para se presumir como o livro terminará.
Espero que gostem.

Pesadelo Listrado

Num dia de chuva,

(Um dia de chuva!),
E de solidão,
(E de solidão!),
O vento cheira a
(Sangue, morte e dor!),
Pesadelo Listrado!
(Pesadelo Listrado!)

Num dia de chuva,
(Um dia de chuva!),
No inferno Nazi,
(No inferno Nazi!),
Quase não consigo
(Respirar!)
Pesadelo Listrado!
(Pesadelo Listrado!)

Quando a morte aparece disfarçada de respiração profunda e escuridão e a falsa sensação de que tudo está bem e nada há mais a se fazer senão esperar pelo que virá. Nunca vi novamente as pessoas que passaram por isso mas com certeza não deve demorar.
(Quando a morte aparece disfarçada de respiração profunda e escuridão e a falsa sensação de que tudo está bem e nada há mais a se fazer senão esperar pelo que virá. Nunca vi novamente as pessoas que passaram por isso mas com certeza não deve terminar!)

Num dia de chuva,
(Um dia de chuva!),
E de solidão,
(E de solidão!),
O vento cheira a
(Sangue, morte e dor!),
Pesadelo Listrado!
(Pesadelo Listrado!)

Num dia de chuva,
(Um dia de chuva!),
No inferno Nazi,
(No inferno Nazi!),
Quase não consigo
(Respirar!)
Pesadelo Listrado!
(Pesadelo Listrado!)
(Pesadelo Listrado!)
(Pesadelo Lis...)

*Os versos repetidos se dão porque em algumas câmaras de gás há um leve eco.
____________________________________________________________________________________

  Maciel T. é um futuro professor (está cursando Pedagogia na Unesp em seu terceiro ano), autor do livro “Rewrite – A história de Kenny e Bee” (para ver a resenha, clique aqui), dono do blog “Cinco Listas”, colunista do “Leitores Forever” e do “Literatura – Um mundo para Poucos”. Gosta de Chicletes, Tigres e Comida! Menos azeitonas! Azeitonas o irritam e ele nem sabe direito o porquê! rsrsrs

Comentários

  1. Eu assisti ao filme e foi o primeiro filme que me fez chorar... Só de ler a resenha já me lembro daquelas cenas horríveis... Eu acabei não ficando com vontade de ler o livro por achar muito triste e provocar essa melancolia em mim também. O mais triste é que os dois meninos ainda são tão inocentes...

    eueminhacultura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Já li o livro e também já assisti ao filme. Ambos são bons na sua medida, mas é claro que nada se compara com o livro. A essência da pureza de Bruno embalado em plena guerra, Boyne surpreende o leitor com essa história.

    Abraços.
    http://musicaselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. eu acho esse livro sensível e tocante... a perspectiva de uma criança sobre a amizade, e mesclada com a inocência de ambos, principalmente de Bruno, que desconhecia o motivo de Shmuel viver do outro lado da cerca... me tocou profundamente...
    http://torporniilista.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Esse é um dos livros sobre a Segunda Guerra que eu desejo ler.
    Mas não me recuperei até hoje depois de Anne Frank e olha que fazem bem uns 10 anos que eu li!
    Não sei se aguento! Um amigo estava lendo e vi o sofrimento estampado no rosto dele...

    A Rainha, Ana P. Maia ♛ - Venha conhecer o Castelo!
    http://booksandcrowns.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá leitor!!!
Obrigada por dividir sua opinião :*
Saiba que seu comentário muito provavelmente vai me deixar (Laryssa) pulando de alegria (literalmente, sou beeeeem exagerada :p).
Se você quiser que ele seja respondido, deixe um link, caso contrário, eu o responderei aqui mesmo no blog, tudo na medida do possível.
Beijoooooos *-*

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Enquanto Houver Vida Viverei - Laryssa e Milena

Resenha: Letras Finais - Luís Dill - Gui

Resenha: A Outra Face - Deborah Ellis - Gui