Resenha: Aposta Indecente - Matilda Wright - Rafa

Título: Aposta Indecente;
Autor (a): Matilda Wright;
Editora: futuramente pela Leya;
Páginas: 240;

Paris, 1854. Um dos homens mais ricos de França, o marquês de Villeclaire tem uma vida luxuosa e despreocupada, onde não falta nada que o dinheiro e a sua posição social possam pagar. Mulheres, jogo, festas, caçadas, palácios… Mas uma aposta faz com que os destinos de Villeclaire e Catherine Duvernois, uma jovem e misteriosa viúva, se cruzem, numa altura em que uma nuvem negra tolda os dias do belo marquês, prestes a casar, contra sua vontade, com Blanche de Belfort. A vida de Louis de Villeclaire desmorona-se… Quem é Catherine Duvernois? E Blanche de Belfort? Alguém está a mentir. Mas quem? Porquê? A resposta mudará para sempre o futuro destas três personagens. Um romance arrebatador, que se desenrola entre os sofisticados salões da aristocracia parisiense e as deslumbrantes paisagens do vale do Loire, levando os leitores numa viagem inesquecível por cenários de sonho, durante o reinado do Imperador Napoleão III.

Eu achei apenas uma resenha sobre o livro, que nem era brasileira. E nela tinham muitas criticas negativas (na realidade, só criticas negativas). Para infelicidade de vocês, eu não tenho como reverter isso.

A única coisa que salvou o livro, foi a ótima escrita da autora, que além de "bonita", é clara. 

A história é de um clichê só. Sim eu gosto de muitas coisas clichês, mas gente, era demais. Louis fez uma aposta Duvernois, o fato é que ele morre e está falido, não tem como ser paga a divida, e além de tudo ele deixou uma esposa - jovem e bonita - para trás. E ai por cima, Louis me cai em uma armadilha e vai ter que se casar com outra. Tipo é uma mistura de romances que já li. Achei muito obvio.
"- Que outra maneira existe de um cavaleiro aumentar, do dia para a noite, sua fortuna? Ganhei uma aposta."

Outra coisa que me irritou profundamente enquanto eu lia, foi que a cenas não tinham profundidade nenhuma, eram extremamente curtas. Quando acontecia algo, em um parágrafo já se era resolvido e já pulava para outra assunto completamente diferente. Era confuso e chato. Os personagens, não tinha aparência praticamente, foi muito difícil imaginá-los. Sem contar que eles não tinham uma personalidade formada, ela não trabalhou nada neles, e para mim, os personagens são o essenciais para uma história ser boa.

E ainda tem mais, a relação de amor e ódio ente Catherine e Louis, não convenceu. Ele odeia e depois passa a ama-la de uma hora para outra. Eles passam boa parte da história separados. Ele duvidando dela e a odiando, tipo oi?
"- Você é tão boa e tão ingênua, Mimi! Como pode acreditar numa história dessas? Madame Duvernois não passa de uma aventureira que mente bem..."

Outra coisa que me revoltou, foi ela tentar por um ar mais "erótico", colocando algumas cenas de sexo, que posso dizer vieram do NADA.

Mas apesar de tudo, a leitura não é nem um pouco cansativa, ela não é parada. Contudo tem partes que você fica tentado a pular, por chatas e desnecessárias que são.

Eu achei a capa bem agradável e as folhas não refletem nada de luz. Ótima edição. Os direitos são da editora Leya.

Obs: O que mais me deixou surpresa foi que a escritora e formada em Literatura Inglesa (segunda faculdade que quero fazer <3) em CAMBRIDGE #chocada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Enquanto Houver Vida Viverei - Laryssa e Milena

Resenha: Letras Finais - Luís Dill - Gui

Resenha: A Outra Face - Deborah Ellis - Gui