Resenha: Cisne - Eleonor Hertzog - Lary

Título: Cisne;
Série: Uma Geração, Todas as Decisões #1;
Autor (a): Eleonor Hertzog;
Páginas: 832;
Editora: Dracaena;

Ninguém sabe exatamente quais são os critérios de seleção da Escola Avançada de Champ-Bleux, mas não há como discutir sua eficácia. Seus exames de ingresso não erram nunca! Entre milhares de candidatos de todos os pontos da Terra, apenas duzentos e cinquenta são escolhidos a cada semestre. E, num mundo onde ser cientista é o maior status que alguém pode desejar, a Escola Avançada de Champ-Bleux forma aqueles que são disputados a peso de ouro. Doris e Henry Melbourne são cientistas formados por Champ-Bleux. Aparentemente, são biólogos marinhos. Aparentemente, suas vidas se centram no Cisne, barco de pesquisas onde moram com os filhos. E, também aparentemente, são terráqueos... Seus filhos acreditam em todas essas aparências – ao menos por enquanto. Seguindo os passos dos pais, os jovens Melbourne fizeram os exames de ingresso para Champ-Bleux. Enquanto, cheios de expectativa, aguardam os resultados para saber se ao menos um deles entrou na Escola Avançada, veem-se envolvidos numa questão diplomática entre Terra e Tarilian, o único outro mundo habitado que os terráqueos conhecem. Inesperadamente, o futuro das relações entre os dois mundos vai ser decidido em um barco no meio do oceano! Mal sabem eles que isso é apenas o começo... Logo precisarão decidir pela Terra inteira!


Em primeiro lugar, eu gostei do livro. Em segundo, estou sentindo uma pequena dor no coração por ter que criticá-lo. Porém entendam: vou falar tudo que achei de ruim e depois irei falar porque vocês devem me ignorar e correr para lê-lo. Dessa vez, não irei seguir nenhuma regra, como narrativa-enredo-personagem, por isso talvez em algum momento pareça que eu "virei a casaca", porém apenas por eu ter criticado antes de elogiar. Eu apenas fui escrevendo o que me vinha à mente.
Vou fazer uma seção falando em grande parte apenas sobre os personagens e no fim dela, irei puxar para o resto do livro. Vou sinalizar para quem se cansar. E lembrem-se também (Estou mandona hoje :/ ) que apesar da capa, o livro não é infantil. Ele não possui nenhum aspecto romântico, apenas aventureiro, sendo assim, para todas as idades.


-------Personagens------

Quando o livro chegou aqui em casa, levei um grande susto com seu tamanho. Sabia qual era a sua quantidade de páginas? Sabia, porém isso não fez diferença. Fiquei adiando um pouco a leitura por estar prestes a entrar no período de provas e ter certeza que levaria séculos para lê-lo e acabaria por ter que recomeçá-lo. No fim, sendo a curiosa esquisita que vocês já conhecem, o comecei. Arrependi-me? Nem um pouco.

O começo da história não é exatamente interessante. Logo de cara a autora já nos apresenta uns quinze personagens e através de suas péssimas descrições físicas de tais, percebi que minha imaginação ia trabalhar mais do que eu havia previsto ao ler a sinopse. Estou dando um destaque ligeiramente maior para que todos que futuramente venham a ler o livro após a minha resenha, sintam-se avisados e já tenham um pré-censo de características.

A Eleonor soube trabalhar as personalidades de cada um, dando destaque aos principais em seus devidos momentos, porém criou tantos coadjuvantes que possuem uma ou duas cenas e depois somem, que estou seriamente traumatizada com nomes. Eu diria que nesse livro de mais de 800 páginas, havia pelo menos cinquenta personagens com falas. Cinquenta. No mínimo. Nenhum com descrição mais precisa do que cor de cabelos, olhos e altura.

Quanto às personalidades, elas encobrem parcialmente a raiva que tive. Os personagens principais são extremamente cativantes e foram apenas eles e suas aprontações em "Porto Alto" que me fizeram ler as primeiras partes rapidamente. Não digo capítulos por que eles são longos e não muitos.

Não vi um grande desenvolvimento em grande parte dos personagens, porém talvez isso se deva ao fato de que nem todos possuem caraminholas por trás do que aparentam. Dito isso, dou destaque a Tim E Peggy. Fiquem de olho neles, são os melhores e mais bem trabalhados tanto na história, quanto entre os livros que já li.

Quando chegamos à metade do livro (minha noção é péssima e como o emprestei, não tenho como confirmar no momento) mais ou menos, a autora começa a adicionar mais personagens em partes separadas as da família Melbourne, indiretamente conectadas a estória. (Não posso explicar, pois seria spoiler).

Ah, meu amigo... Esses novos personagens vem para deixar o livro muito melhor do que estava e são, fora o banho de história imaginária e a criatividade da autora, um dos motivos para o livro receber quatro estrelas. No sentido positivo, ok?

Com eles a autora tráz pitadas a mais ao livro, puxando pequenos lados de romance (nulos o livro inteiro ou meramente postos como citação, porém não desenvolvidos) e abrange nossa área de interesse. É dai que surgem meus personagens favoritos, Michele e Anton. Cara, como eu ri e bati os pés com eles.

--------------------------------------------

Continuando e saindo dessa minha bateção de tecla e redundância toda, posso garantir que o livro vale a pena apesar de tudo isso. "Mas Laryssa, você ficou falando mal dos personagens até agora!". Personagens apenas.

Partindo daí para a narrativa, aviso que ela é um tanto inexistente, pois o livro é praticamente inteiro escrito por meio de diálogos, fora quando a autora está contando uma história ou explicando algo. Esse pouco que tivemos foi realmente incrível e simples, sem palavras difíceis, o que considero bem importante se levarmos em conta que "Cisne" é um livro para toda a família.

Um ponto que me levou a loucura até acostumar, foi que tivemos alguns de uma página inteira, sem sinalizar uma única expressão corporal. Porém, ainda assim, apesar de em certos momentos esse aspecto ser cansativo, ele faz o livro fluir mais rápido e ser mais leve do que seria caso a Eleonor ficasse se prolongando em seus parágrafos. Mas sabe, como eu disse, se ela descrevesse um pouco mais as paisagens, eu ficaria feliz.

O caso é que o livro é completo. A autora pôs cenas desnecessárias? Pôs, várias. Porém, isso meio que acabou por ser positivo no final. Porque nos permite ter uma noção maior de como é aquele mundo. Está meio confuso de falar, porém entendam. O livro trata a Terra como um planeta totalmente diferente e além de Tarilian, o planeta que está do outro lado do sol, a autora permitiu que sua imaginação divagasse, saísse voando pela janela e buscasse ideias "malucas", que entretanto, deram certo e me fascinaram. (Contraditório? No sentido geral, as cenas são apenas momentos fofinhos, que para um leitor que deseja uma leitura direta  e sem rodeios, tornam-se irritantes).

Não irei falar muito, pois sou propensa a soltar spoiler, Nay - Resenhas Teen que o diga. Na minha humilde opinião, a sinopse não transmite nada da essência do livro. Ela coloca apenas o que temos nas primeiras páginas, fazendo com que surpresas sejam constantes.

Por ser um livro grande, o que vocês talvez pensem como absurdo, por exemplo eu dizer que o rumo da história começa a se desenvolver e andar lá na página 300, não é, e que ele fica espetacular a partir das 600, também não.

O caso é que além de tudo que eu já falei, se você não tem boa memória, fique alerta e marque páginas em que ela faz apresentações e afins, pois quando a criatividade chega ao nível máximo e eu penso que ela não tem mais o que inventar, a dona Eleonor me traz uma novidade cruel para a minha curiosidade. As últimas trinta páginas principalmente as quais Henry (pai dos garotos Melbourne) está falando sobre "-----", são desesperantes.

Em resumo, a leitura foi exatamente assim: normal, divertida, interessante, surpreendente, original, incrível e a pessoa aqui esqueceu tudo o que não havia gostado e tive uma crise de ansiedade.

Alias, os últimos parágrafos, uns três eu acho, que se passam com a Peggy deixaram a finalização meio fraca. Não sei, porém pessoalmente eu preferia as partes finais de Henry e Doris.

Quanto ao livro físico em si, a capa não possui orelhas e é mole em demasia, as letras são grandes, apesar de o espaçamento não ser. Como já mencionei, os capítulos são longos e durante eles há várias repartições.


Não sei se consegui me expressar, porém espero que sim. O que posso falar a mais é que espero ansiosamente por "Linhagens" e que por mais que hajam empecilhos, vou lê-lo a todo custo -_- .

Comentários

  1. Olá , seu blog é muito bom,
    e desde já quero dar-lhe os parabéns, meu nome é:
    António Batalha, e quero deixar-lhe um convite,
    se quiser fazer parte de meus amigos virtuais no
    blog Peregrino E Servo ficarei muito radiante.
    Claro que irei retribuir seguindo também seu blog.
    Deixo-lhe a minha bênção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi António, seguindo seu blog como Ly e com essa mesma foto que mostro aqui, muito sucesso com o blog e obrigada pelo elogio e pela visita ^-^

      Excluir
  2. Oi tudo bem?
    Nossa acho que a primeira resenha sua que leio(depois das outras pessoas que ajudam o blog),gostei muito.Não é aquela resenha chata e monótona que não apresenta argumentos e tals,mas ficou super bacana.
    Não é o primeiro blog a falar da escrita e dos personagens,vou começar a ler o livro na semana que vem e vou seguir sua dica ^^,não vou desistir e apesar de falar das personagens gostei muito,gosto de outros mundos,novas ideias e a Eleonor (não gravo seu sobrenome e alguém sabe falar ele? kkk) me parece pessoa doce e adorável.
    Também deve ser assim pelo fato de a "magia" estar nos próximos livros.
    Vamos lá,assim que terminar te falo como foi (=
    bjus flor
    Tamires C.
    http://www.de-tudo-e-um-pouco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tatá, obrigada e volte sim! São poucas as pessoas que conheço que leram (duas -_-) esse livro, vou adorar saber o que está achando!
      Obrigada pelo comentário fofa!
      Beijokas =*

      Excluir
  3. Olá, gostei muito do seu blog, parabéns. =)

    Quanto ao livro Cisne, eu fiquei impressionada com a capacidade criativa da Eleonor. No início eu me espantei um pouco com a quantidade de filhos dos Melbourne, mas rapidamente me acostumei e afeiçoei. E entendi que cada um deles tem um papel na estória.
    Enfim, esse é um de meus livros preferidos, espero Linhagens com muita ansiedade.

    www.reticenciando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi obrigada! *-*

      Realmente, a criatividade da Eleonor são só impressiona como assusta também.
      Eu não consegui me acostumar tão bem assim (memória fraca para lembrar), mas a curiosidade ainda está a flor da pele pela continuação.

      Beijos =*

      Excluir
  4. Conheci a Eleonor em um evento literário aqui em Belo Horizonte. Tive que escolher apenas dois livros para comprar e por isso não levei Cisne. Agora estou me arrependendo muito... rs...

    Abraço,

    Nerito
    www.oguardiaodehistorias.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá leitor!!!
Obrigada por dividir sua opinião :*
Saiba que seu comentário muito provavelmente vai me deixar (Laryssa) pulando de alegria (literalmente, sou beeeeem exagerada :p).
Se você quiser que ele seja respondido, deixe um link, caso contrário, eu o responderei aqui mesmo no blog, tudo na medida do possível.
Beijoooooos *-*

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Enquanto Houver Vida Viverei - Laryssa e Milena

Resenha: Letras Finais - Luís Dill - Gui

Resenha: A Outra Face - Deborah Ellis - Gui