Especial Dia das Mães | Resenha: Quarto - Emma Donoghue - Rafa

Título: Quarto;
Autor (a): Emma Donoghue;
Editora: Verus;
Páginas: 350;
Para Jack, um esperto menino de 5 anos, o quarto é o único mundo que conhece. É onde ele nasceu e cresceu, e onde vive com sua mãe, enquanto eles aprendem, leem, comem, dormem e brincam. À noite, sua mãe o fecha em segurança no guarda-roupa, onde ele deve estar dormindo quando o velho Nick vem visitá-la. O quarto é a casa de Jack, mas, para sua mãe, é a prisão onde o velho Nick a mantém há sete anos. Com determinação, criatividade e um imenso amor maternal, a mãe criou ali uma vida para Jack. Mas ela sabe que isso não é suficiente, para nenhum dos dois. Então, ela elabora um ousado plano de fuga, que conta com a bravura de seu filho e com uma boa dose de sorte. O que ela não percebe, porém, é como está despreparada para fazer o plano funcionar.

Hoje comemoramos o dia delas. Dessas mulheres que são tudo para nós. Dia das Mães. E por que não fazer uma resenha especial para elas?


Quarto é uma obra que li já faz alguns anos, mas que me marcou muito. A imagem da principal como MÃE é bem nítida. A história é narrada por Jack, de cinco anos, que só se refere a ela como Mãe. Nós não sabemos o nome dela. Acredito que a visão que a escritora quis passar não foi dela como, mulher ou vítima, e sim como mãe, aquele ser que fará tudo para defender o quem ama.

A forma como a autora entra na cabeça de Jack e a descreve é incrível. Deixa que a história que deveria ser de grande terror, mais leve. Contudo mantém o "humano" e chocante da história.
"- Onde a gente fica quando está dormindo? Ouvi ela bocejar.- Aqui mesmo.- Mas os sonhos - esperei. - Eles são da TV? - Ela continuou sem responder, - A gente entra na televisão pra sonhar?"

Jack começa a questionar demais as coisas, assim como qualquer criança. Entretanto ele não é qualquer criança, seu mundo é somente aquele quarto. Mesmo que sua Mãe tenha lhe criado lá dentro dá melhor forma possível, ele precisa de liberdade. É quando você começa a se desesperar enquanto lê. Ela vai por a vida dos dois em risco e mesmo que o medo dela, não seja obvio para Jack, para nós é.

Ai que entra o significado dessa palavra: Mãe. O quanto forte ela será por seu filho. Uma mãe que superou suas dores, em busca da felicidade dele. E mesmo com todo aquele terror, ela nunca o culpou.
"A Mãe abanou a cabeça.- Nenhum de nós jamais esteve só, nem por um minuto".

A narrativa é doce e inteligente. Você fica preso na história do inicio ao fim. Um obra fictícia, mas que descreve muitos acontecimentos reais. É inspirador.

O livro foi considerado o melhor livro do ano por muitos meios de comunicação, como New York Times.

Nossas mães merecem nosso amor incondicional, por tudo que fazem por nós. Dedico está resenha a todas as mães do mundo. Principalmente a minha <3

Comentários

  1. Oi, passei aqui para parabenizar pelo blog e dizer que lá no blog está rolando uma novidade bem legal! Se você puder participar ficarei bem feliz!

    http://meulivroeeu.blogspot.com.br/2013/05/novidade-no-blog-bookshelf-view-mostre.html

    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Mauricio... To indo dar uma passadinha lá, pode deixar =)

      Excluir

Postar um comentário

Olá leitor!!!
Obrigada por dividir sua opinião :*
Saiba que seu comentário muito provavelmente vai me deixar (Laryssa) pulando de alegria (literalmente, sou beeeeem exagerada :p).
Se você quiser que ele seja respondido, deixe um link, caso contrário, eu o responderei aqui mesmo no blog, tudo na medida do possível.
Beijoooooos *-*

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Enquanto Houver Vida Viverei - Laryssa e Milena

Resenha: Letras Finais - Luís Dill - Gui

Resenha: A Outra Face - Deborah Ellis - Gui