23 de abr de 2013

Resenha: A Droga da Obediência - Pedro Bandeira - Lary


Título: A Droga da Obediência;
Série: Os Karas #1;
Autor (a): Pedro Bandeira;
Editora: Moderna;
Páginas: 190;
Status no fim da leitura: Novo favorito :D

Num clima de muito mistério e suspense, os Karas, enfrentam uma trama macabra internacional que está testando uma perigosa droga em adolescentes dos melhores colégios de São Paulo. Uma droga que pretende reduzir a humanidade à obediência absoluta e aos desígnios do sinistro Doutor Q.I.








Perfeição não é uma palavra que descreva esse livro, porém é realmente por muito pouco.

O que eu quero dizer com isso? Pedro Bandeira não é para todo mundo. O que me leva a pensar. Meus colegas de escola leram esse livro quando estavam na sétima série e dizem nitidamente que ele é uma *****, agora, ao ler, eu posso afirmar a todos, de acordo com meus parâmetros, justamente o contrário. Ele é ótimo, para dizer o mínimo.

Talvez essa diferença se dê por motivos inimagináveis, porém jamais pela escolha de gêneros. Digo isso porque não sou exatamente fã de todos os termos e ações das personagens provindas de livros juvenis. Anteriormente, desabafei, então vamos tentar manter a linha.

Esquecendo o meu lado negativo de ser, deixem que eu me renda a está inteligentíssima obra de Pedro Bandeira.

Vamos deixar a narrativa, o enredo e outras coisas do tipo para depois. Vou meio que falar na ordem inversa.

A capa do livro é bem simples, em todas as edições. Quem quiser vê-las é só rolar a página um pouco mais para baixo. A minha, no caso a laranja, possui junto a ela letras grandes, confortáveis e páginas amarelas, que eu tanto amo. O trabalho da Editora Moderna estava ótimo, não encontrei um erro sequer, porém isso talvez se deva ao fato de eu estar concentrada no livro, mas enfim.

Quanto aos personagens, posso dizer que cada um tem um estilo diferente. Não faço ideia do que irá acontecer em suas vidas no próximo livro, apesar de que o nosso mestre aí, Pedro Bandeira, já fez com que eu escolhesse meu favorito e aspirasse um futuro vindo da minha imaginação para cada um.

Todos eles são muito bem construídos e não teve um dialogo ou paragrafo com uma gafe, como por exemplo, contradição ou uma cena mal narrada. A verdade é que se tornou difícil para eu falar deles sem soltar spoilers. Posso dizer que a turma possui esteriótipos, sendo eles: o inteligente (Crânio), a garota perfeita (Magri), o líder nato (Miguel), o menino mais novo e metido (Chumbinho) e... Não sei descrever o Calu, apenas digo que ele é o máximo, apesar de um comentário que fez com que caísse alguns pontos comigo.

Um ponto ruim deles é a má descrição. Na verdade, ela é praticamente nula. Não faço ideia de qual seja a aparência dos Karas e talvez pelo livro ser um tanto infantil, existem vários acontecimentos irreais no decorrer da história. E apesar da sinalização na folha de dados, as ações das personagens não tem nada de infantil em grande parte da trama. Contraditório? Também acho.

O autor. Bem, a inteligência dele é óbvia para mim e sua destreza em fazer com que as personagens se tornem reais, só encontrei uma vez antes. Porém, outro fato que eu achei interessante mencionar sobre ele, é que escreveu "A Droga da Obediência" em 1983, logo depois da ditadura militar (espero não estar errada quanto a isso) e o que o levou a fazer isso foi, de acordo com a "nota do autor" na última página do livro, a decisão de uma empresa farmacêutica de parar de produzir determinado remédio que ele consumia. "Então alguém decide que minha dor deve continuar", acho que foi o que disse. E de tal forma, ele escreveu o livro para demostrar... Vou calar a boca porque se eu continuar falando, vocês vão sacar qual é o enredo (não tenho certeza se estou certa, todavia não custa das palpite).

A narrativa do livro é leve e até mesmo divertida. As coisas nem sempre acontecem rápido, porém vejo isso como uma estratégia. Pode ser viagem minha, entretanto, quanto mais frustrada ficava (apenas por ser ansiosa e esquentadinha de natureza - na minha mente, não em ações, diga-se de passagem), mais rápido eu queria ler e largava tudo para fazê-lo. Nesse aspecto de largar, vem um ponto positivo. As coisas não acontecem frequentemente, mas a narrativa é mais rápida que Hermes em suas sandálias aladas. 

O enredo criado por Pedro Bandeira parece bem simples - não vou falar muito porque obtive muito mais satisfação descobrindo tudo aos poucos, ao invés de ler a sinopse - porém (hoje os poréns estão à solta) ao longo do livro, ela se desenvolve e surpreende até mais do que eu creio como normal.

Isso porque a inteligência com que os fatos se desenrolam é sublime. Eu nunca, nunca na minha vida, ri por estar errada. Como o livro envolve um caso policial, (afinal, os Karas são um grupo de adolescentes que gostam de bancar os detetives) o autor vai liberando-nos pistas aos poucos, porém também nos manipula esplendorosamente.

Eu, mais uma vez, fiz algo inédito. Eu parava de ler para pensar. Eu, Laryssa Yasmin, parava de ler o livro para pensar e não estou reclamando disso. O mundo acabou e esqueceram-se de me avisar?

Eu parava numa boa, pensava, criava a minha hipótese e esperava o desenrolar. Quando eu via que estava errada, eu só ria e bufava. Não tem explicação. Esse livro, com todos os seus trejeitos mexeu comigo. Quer dizer, aos meus olhos, um livro que consegue fazer com que você esqueça suas manias chatas, ou seja, mude você, só pode ser admirável.

Vamos exemplificar: os pontos de exclamação. Quem acompanha o blog há algum tempo, sabe o quanto eu odeio o uso exagerado deles. Olhem para mim agora. Graças ao Senhor Bandeira, eu virei hipócrita e estou usando-os também! :'( . Isso tudo porque o moço aÍ insistia em por no mínimo uns seis em cada página. Sem exagero gente.

Devo estar soando como louca e incoerente. Talvez, se vissem minha cara ao falar tudo isso em voz alta, seria mais convincente. Sabe aquela emoção, aquela apreensão que vem de dentro de você e vai crescendo quando você está falando de um livro que ama? É assim que eu fico só de ouvir o título. É inexplicável.

O máximo que posso dizer é: o livro é incrível! Não só Pedro fez com que eu baixasse a minha guarda e esquecesse as minhas neuras, como também me deixou doida e de cabelos em pé!

E o fim... Ah, o fim... Admito que eu tentei espiar, mas o danadinho colocou o xeque-mate do livro algumas páginas antes do bem dito. ¬¬. Porém, o agradeço eternamente por isso. Foi uma surpresa bem-vinda. E por quê? Só digo uma coisa: estava tudo lá e ao mesmo tempo não havia nada. Querem entender? Leiam o livro :P


***

OUTRAS CAPAS:



 


Desculpem pela resenha enorme. Kisses =*

14 comentários:

  1. Eu li esse livro há mais de 15 anos. Era leitura obrigatória na minha escola. Todos tinham que ler. Ainda lembro que o meu livro tinha essa primeira capa da esquerda. ehehe.
    Abs.

    José Almeida Júnior

    Conheça nosso blog literário:
    http://www.almeidaemprosa.com.br/
    Fan Page:
    http://www.facebook.com/pages/Almeida-em-Prosa/418889628189015
    Twitter: @almeidaemprosa

    ResponderExcluir
  2. *-* Não, a palavra perfeição não descreve esse livro

    ResponderExcluir
  3. e a resenha é fantástica *---------------------*

    ResponderExcluir
  4. Me fez lembrar minha infância!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias
    Livroterapias

    ResponderExcluir
  5. Também fui obrigada a ler esse livro na escola e posso dizer que traumatizou muitos futuros leitores... rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece que só eu não li por obrigação... E o pior é que antes de meus colegas ficaram falando do livro, eu nem tinha ideia que ele era tão aclamado por professores.

      Excluir
    2. eu ganhei na escola, na 4ª série e li por vontade propria. Foi o livro que me fez começar a gostar de ler. AMO todos os livros do Pedro Bandeira. Ele é foda!

      Excluir
    3. O/ Finalmente! Só li até o terceiro livro dos caras, mas já amo a maneira de escrever do Pedro. E concordo plenamente, ele é demais!
      Beijos =*

      Excluir
  6. Nossa, deve ser muito bom, só vi elogios!! Adoro livros policiais, mais nunca li que envolvesse adolescentes que davam um de detetives. Cada vez que leio livros nacionais, mais eu gosto! Espero lê-lo em breve. Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Acho esse livro perfeito para adolescentes. A resenha ficou ótima, muito bem escrita.

    Adorei o blog! Estou seguindo!
    www.meuslivrosesonhos.blogspot.com.br
    Ficarei feliz com uma visita sua ao meu blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele realmente é perfeito para adolescentes e obrigado *-*
      Seguindo seu blog ;)
      Bjs

      Excluir
  8. Olá tudo bem? Eu ainda não conhecia este livro, mas a sua resenha me deixou interessado, acho que nunca li um livro policial que fosse direcionado ao público infantil, ele parece ser bom, apesar de apresentar algumas características que me desagradam em livros infantis, como a falta de descrições, que em minha opinião são importantes em um livro.
    Outra coisa que não me agradou foram as capas, acho que poderiam tê-las feito com um pouco mais de cuidado.
    Abraços.

    http://viciadoemlivrosefilmes.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Olá leitor!!!
Obrigada por dividir sua opinião :*
Saiba que seu comentário muito provavelmente vai me deixar (Laryssa) pulando de alegria (literalmente, sou beeeeem exagerada :p).
Se você quiser que ele seja respondido, deixe um link, caso contrário, eu o responderei aqui mesmo no blog, tudo na medida do possível.
Beijoooooos *-*

Código by: The Dawn of Art Designs(http://thedawnofartdesigns.blogspot.com.br//) | Layout/Design by: Ana Zuky | Todos os direitos reservado ao blog Resenhas Teen